Quadrinhópole #6

Conforme já informamos, a Quadrinhópole deste mês vem com apenas uma história: Insanidade.

Insanidade
por Juliano DFS (argumento), Leonardo Melo (roteiro) & Isaac Santos (arte)
Um jovem é internado em um sanatório sem saber o motivo. Sua jornada dentro do hospício não apenas o leva para o mundo dos loucos como também do auto-conhecimento. Como chegar ao ponto em que nos conhecemos como loucos?
A idéia de DFS lembra um enredos de M. Night Shyamalan. Melo conduz bem a história, mas peca por não aprofundar a jornada de Leonard em seu novo lar. Várias premissas poderiam ser desenvolvidas ali e talvez esse seja o principal problema. O autor parece ter tentado fazer várias abordagens possíveis sem focar em certos elementos ou coadjuvantes que poderiam render uma história mais sensível.
Apesar disso, como um conto de terror a história se sai bem. Os desenhos de Isaac Santos são o ponto alto do início da história. Henrique Assale assume na segunda parte, mas seus desenhos parecem rígidos demais, quase estátuas e não seres que andam e interagem (em algumas conversas, os olhares não convergem). Ironicamente, é justamente a parte com os melhores diálogos.
A parte três fica com o traço de Lipe Dias, que é de uma expressividade visceral quando o assunto são emoções. A rigidez excessiva também aparece aqui, mas os closes e ângulos que o desenhista traz são uma solução criativa e que corrige o defeito. Ângelo Ron é o melhor dos quatro, mas seu trabalho também é prejudicado por um problema geral: um bom arte-finalista ajudaria muito a qualidade da história.
A Quadrinhópole tem se destacado por reunir várias histórias de excelente nível. Por isso, a opção de publicar o sexto número com apenas um enredo traz muita responsabilidade para a história. Responsabilidade que Insanidade não é capaz de assumir. Ainda que seja uma boa história, não compensa a ausência da arte de desenhistas como o incrível Jean Okada e Bira Dantas e o personagem Undeadman.
Nota: 7
Completa a revista uma entrevista com o desenhista Julio Shimamoto, que também assina a bela capa. Entre outros detalhes, o artista lembra de sua prisão na época da ditadura.
Bugman foi preso pela ditadura em vidas passadas. Será que rola indenização?

Anúncios

  1. kim

    Comprei uma revista, me diverti e concordo com os comentários. O tal do Lipe Dias é expressivo pra caralho, tomara que faça mais coisas e melhore mais. Gosto mais de revista assim, que tenha histórias completas.

  2. Coincidentemente, semana passada falei no uarévaa sobre os quadrinhos de terror clássicos com o que cresci. Taí uma ótima novidade, que já me faz ficar um pouco mais empolgado com essa nova safra de quadrinhos nacionais.
    O Brasil vem vivendo tempos interessantes…APROVEITEM, NERDS!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: