Nova revista nacional promove encontros

A editora SG Arte Visual lança esse mês a revista brazuca Grandes Encontros #0.

Samicler Gonçalves, autor do herói nacional Cometa, lança esse mês uma nova HQ: Grandes Encontros. O objetivo é fazer crossoveres entre heróis nacionais. A edição zero terá três histórias em 24 páginas com os personagens Penitente [do Lorde Lobo] e Caveira, Tribo, Rude e Cabala [infelizmente não conheço todos os personagens, por isso, se você souber o nome dos autores, coloque nos comentários].

Rogério Puhlé um dos artistas que colaboram com a primeira edição da revista. Conheça o trabalho do cara. É de babar.
Vale lembrar que o Samicler, anteriormente, já colocou nas gibiterias crossoveres de heróis nacionais com o seu personagem principal, o Cometa [ainda consigo essas revistas pra mim]. Tenho as três primeiras edições do Cometa e posso garantir pra você que trata-se de uma revista muito bem feita. Do roteiro ao acabamento é tudo feito com muita qualidade. Se você tiver oportunidade de ler uma revista do personagem, aproveite.
Uma observação importante deve ser feita sobre o projeto. Grandes Encontros está aberto a todos os heróis nacionais. Ou seja, se você é autor de HQs, apresente seu projeto e tente entrar na fila. A revista trimestral terá 24 páginas e a partir da edição #1 terá apenas uma história por revista. Bem que o MdM podia entrar no projeto… Mais informações no blog do Samicler.

Anúncios

  1. miguel RUDE

    bom, para quem não conhece o personagem RUDE…
    ela já apareceu na grandes encontros contra CABALA, uma ponta num flashback na revista ALIENS, pontas em UNDERTAKER´S DAUGHTERS e SKYRIDER
    wanderliene freitas anda postando algumas tiras dele
    http://www.orkut.com.br/Main#AlbumZoom?uid=9430508982884093358&pid=1251429391577&aid=1218795230$pid=1251429391577
    Para quem não conhecem o atista RUDE.
    bom, fazer o que né?
    È MAIS SIMPLES DO QUE PARECE…
    só precisa usar o bom senso

  2. Roberto Mendes

    Acho que se O MATERIAL IMPRESSO FOR BOM, O ARGUMENTO EXCELENTE, E O DESENHO BASTANTE PROFISSIONAL, AS NOSSAS HQS PODEM FICAR ENTRE AS AMERICANAS. PRA ISSO O DESENHISTA TEM QUE SER BOM MESMO, TANTO QUANTO O CARA Q ESCREVER O ENREDO DA ESTÓRIA COMO QUEM VAI CONCLUIR O TRABALHO. TUDO TEM QUE AGRADAR, IMPACTAR.

  3. odacir cardoso

    eutambem torsso muito pela volta do capitão 7 afinal disem que ele foi o primeiro super heroi brasileiro bem que poderiam faser uma nova origem para ele eos demais afinal nen todos são eterno eos que são não são humanos torsso para outro vestirem o manto do capitão 7 , topmen , umtra x cometa judoca ,veltra etc…

  4. batniz

    Em tempo: só tive acesso as revistas do homem grilo e sideralman dentre outros quando Milena da GHQ uma comic shop de Natal trouxe do FIQ. Se não tivesse esta comic shop por aqui o acesso às revistas seria mais complicado.
    😛
    Namastê

  5. batniz

    Tenho certeza que durante o desenvolvimento dos trabalhos do quarto mundo os três pilares teórico práticos terão ramificações assim como árvores em uma floresta que apesar das queimadas continuarem acontecendo resistem firmes e fortes.

  6. batniz

    Li o maniofesto 4uartomundista…
    compreendi o porquê da questão.
    🙂
    Vou deixar um pouco mais claro a afirmação.. quando digo em bancas é no sentido de pontos de acessibilidade aos trabalhos produzidos e não apenas uma quintanda.
    Quando criança encontrava facilmente as revistas dos los tres amigos Glauco,Angeli e Laerte em bancas(e até em feiras) com preços acessíveis.
    Hoje em dia só em comics shops ou livrarias e os preços não são tão acessíveis quanto antes.
    As editoras como a globo estão migrando das bancas para livrarias e comics shops.
    é no sentido de acessibilidade que digo em bancas eu, como tinha acessibilidade a variados quadrinhos nacionais em bancas, minha memória emotiva me remete a este período.

  7. Espero que chegue o dia em que seja comum encontrar heróis nacionais em bancas.
    Acreite em mim, esse dia nunca vai chegar. Pra entender o porquê disso, recomendo a leitura do Manifesto Quartomundista que está no blog do Quarto Mundo, ou no nosso informativo impresso.

  8. batniz

    “Eu não conheço NENHUM. Nunca vi em banca alguma revistas de heróis nacionais.”
    Espero que chegue o dia em que seja comum encontrar heróis nacionais em bancas.
    até lá o jeito é deixar de esperar e agir para que isto aconteça.
    🙂
    Namastê!

  9. batniz

    “Não curto muito estas revistas nacionais. Os personagens são muito americanizados e em geral é tudo muito mecânico.”
    que revistas nacionais você leu?

  10. batniz

    “Ultra, sobre os demais heróis do crossover:
    Caveira: criação do Dan Antonelli;
    Tribo: Salvo engano (se for mesmo o que penso) é criação do Cortizo;
    RUDE: esse eu tb não conheço;
    Cabala: Lula Borges e Miguel RUDE (ela eu tive de consultar nas “Brado Retumbante”)…”
    bem, deixei uma dica do personagem desconhecido com letras maiúsculas.
    Tem bastante coisa legal surgindo no mercado independente em se tratando de super-heróis e fantasia.
    O Samicler tá abrindo um espaço legal e investindo com dinheiro do próprio bolso assim como tantos quadrinhistas com iniciativas bacanas como os do 4uarto mundo.

  11. EJT

    Engraçado q o simbolo do Cometa é igual ao simbolo do Cometa da DC (q antes era Capitão Cometa), hehehehe!
    E outra… plágio descarado do Meteoro, do Roberto Guedes… uma pena!

  12. BlackHeart

    Seria legal eu lançar meu personagem, O Laçador, numa revista de destaque como essas.
    problema é que só existe na minha cabeça. Ainda 😉

  13. Comentário de: Jack Starman · http://uarevaa.blogspot.com
    O que me dá raiva nos quadrinhos nacio0nais é a mania de se aproximar do estilo americano superheroístico de se fazer HQ. esta bem que o público maioria gosta disso, mas não tem como se criar um estilo tipicamente brasileiro, como existe em outros paises na Europa, Até na America LAtina mesmo?
    ——————–
    Não generalize.

  14. Cara, na boa? Não entenda como tirada mas… Leia antes, procure saber antes de estabelecer opinião…

    Porco, isso é realmente foda, e é uma das coisas que mais emperra o desenvolvimento de um mercado de quadrinhos nacional: o leitor ignorante e preconceituoso com o típico discurso “não li e não gostei”. Aí vem com merdas como essas de que quadrinhos nacionais são cópias dos super-heróis norte-americanos, sendo que 99% da produção atual de quadrinhos no Brasil passa bem longe de super-heróis. Duvido que um cara desses tenha reservado um tempo pra ler pelo uma das várias revistas nacionais que tem sido publicada nos últimos meses. Mas pra falar merda não perde tempo.
    Estou me empenhando para caramba junto com o resto do Quarto Mundo pra criar um mercado de quadrinhos nacional que seja grande, contínuo, e sobretudo variado, mas ao ler besteira como essas, dá até desânimo.

  15. Comentário de: Toad
    Ultra
    Toad, esses gibis não tem espaço no mercado pra entrar na briga nas bancas de jornal com as HQs gringas. O melhor pra elas, no atual cenário, são as lojas especializadas, mesmo. Recomendo a Point HQ no Rio de Janeiro, e a Comix, em Sampa.
    []s

    Pena então e muito, pois infelizmente moro bem longe do eixo Rio-São Paulo. Quem sabe eu consigo encontrar aqui em alguma livraria da cidade (se bem que tb nunca vi, mas…)…bem, é uma pena mesmo.
    Mas valeu a dica mesmo assim Ultra.

    Toad, uma boa opção é comprar pela internet.
    A Bodega vende um bom número de quadrinhos nacionais, mas está em obras. De qualquer forma, para quando voltar, fique com o link:
    http://www.leonardosantana.com.br/
    Dos personagens citados no post, Penitente, Cabala e Cometa podem ser adquiridos na Bodega (a Cabala sai na revista “Brado Retumbante”, e os outros dois em revistas solo). Já o Caveira, vc pode ler gratuitamente (bem como o Poderoso Porco!) no HQNado: http://www.hqnado.com/index.html

  16. Comentário de: Jack Starman · http://uarevaa.blogspot.com
    O que me dá raiva nos quadrinhos nacio0nais é a mania de se aproximar do estilo americano superheroístico de se fazer HQ. esta bem que o público maioria gosta disso, mas não tem como se criar um estilo tipicamente brasileiro, como existe em outros paises na Europa, Até na America LAtina mesmo?

    Não existe maioria de público que gosta disso ou daquilo, porque esse público não existe. Alguém aí embaixo falou que só lê Marvel e DC, mas apoia a iniciativa. O país está CHEIO de gente assim: gente que apoia mas não banca, critica mas não lê.
    Os gêmeos Bá e Moon não fazem super heróis. Laerte fez por pouco tempo, Angeli, André Dahmer, Alan Sieber e Muttarelli nunca pisaram. A Banda Grossa, a Quase!… Nada de super heróis. A recente revista do F.D.P., lançada pelo Leo Santana, tem sido muito elogiada…. Sem supers. O Nona Arte, nada deles. Quadrinhópole, Boca do Inferno… Muita gente no Quarto Mundo passa longe dos sujeitos de capa e cueca sobre as calças.
    Super heróis são uma parte (que nem é a maior) da produção INDEPENDENTE de quadrinhos no Brasil. Uma parte.
    Cara, na boa? Não entenda como tirada mas… Leia antes, procure saber antes de estabelecer opinião…

  17. Ultra, sobre os demais heróis do crossover:
    Caveira: criação do Dan Antonelli;
    Tribo: Salvo engano (se for mesmo o que penso) é criação do Cortizo;
    Rude: esse eu tb não conheço;
    Cabala: Lula Borges e Miguel Rude (ela eu tive de consultar nas “Brado Retumbante”)…

  18. O que me dá raiva nos quadrinhos nacio0nais é a mania de se aproximar do estilo americano superheroístico de se fazer HQ. esta bem que o público maioria gosta disso, mas não tem como se criar um estilo tipicamente brasileiro, como existe em outros paises na Europa, Até na America LAtina mesmo?

  19. Toad

    Ultra Email
    Toad, esses gibis não tem espaço no mercado pra entrar na briga nas bancas de jornal com as HQs gringas. O melhor pra elas, no atual cenário, são as lojas especializadas, mesmo. Recomendo a Point HQ no Rio de Janeiro, e a Comix, em Sampa.
    []s
    PermalinkPermalink 04.03.08 @ 18:44

    Pena então e muito, pois infelizmente moro bem longe do eixo Rio-São Paulo. Quem sabe eu consigo encontrar aqui em alguma livraria da cidade (se bem que tb nunca vi, mas…)…bem, é uma pena mesmo.
    Mas valeu a dica mesmo assim Ultra.

  20. Anônimo

    Comentário de: Toad
    Infelizmente você não conhece alguns desses personagens Ultra?
    Eu não conheço NENHUM. Nunca vi em banca alguma revistas de heróis nacionais.
    Mas a arte da capa ai tá FODA.
    ————
    Toad, esses gibis não tem espaço no mercado pra entrar na briga nas bancas de jornal com as HQs gringas. O melhor pra elas, no atual cenário, são as lojas especializadas, mesmo. Recomendo a Point HQ no Rio de Janeiro, e a Comix, em Sampa.
    []s

  21. Toad

    Infelizmente você não conhece alguns desses personagens Ultra?
    Eu não conheço NENHUM. Nunca vi em banca alguma revistas de heróis nacionais.
    Mas a arte da capa ai tá FODA.

  22. Andre

    Daí a galera reclama que não tem mercado pra galera daqui aqui…
    Tem uns personagens aí que saem lá no HQnado, é só darem uma olhada, galera…

  23. Andre

    Vale muuuuito aplaudir a iniciativa… e se você taí, coçando e com uma graninha no cofrinho de porco, vamos prestigiar nossos artistas conterraneos , porra…

  24. Inferno, o Infame

    Homem Interativo????
    Hiehaieheiaeaeaaiehaeaiaeiaiaseiaiaehiahaseihaiehiaehaiehaiehaiehaiehaiehiaehaie
    Eu tb interajo muito bem, mas só com o sexo oposto, heiaheiiaeiaheaieiheiiaiaihe
    abcs interativos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: