Rambo 4 por Mallandrox


O filme não é perfeito, mas como sou um nerd recalcado e fanboy, para mim é o melhor lançamento deste ano (talvez só perca para Wall-E).
Ah, sim! Tem SPOILER, viu?


Bem, eu sou um nerd jovem (jovem nerd é outro site), por isso nunca pude ver qualquer filme do ex-boina verde no cinema. Porém, isso não significa que não vi os três Rambo, ou que os assisti pouco. Não! Eu sou um dos sortudos filhos da melhor fase da Sessão da Tarde, então apesar de não ter vivido essa época, posso dizer com garantia que Rambo fez parte da minha vida (tinha até bonequinho tosco dele do desenho). Por isso, eu não tenho palavras para definir o que foi ver um dos meus heróis da infância em uma telona! Enfim, mas chega de escrever sobre mim, vamos ao filme!
Antes de tudo, vamos dividir em tópicos, afinal não dá para falar do trabalho do Sylvester Stallone em dois ou três parágrafos! O cara foi o roteirista/diretor/ator da bagaça!



Stallone ator:
Ok… Já falei sobre isso e sei que faço parte da minoria, mas eu curto a atuação do Stallone! É como escrevi no Das Antigas, ele sabe que é ruim, então se esforça ao máximo!
Sendo assim, Sly se joga, faz cara feia, grita e tenta passar seriedade ao seu icônico personagem. Em outras palavras, se entrega ao papel!
Já que citei a atuação dele, vou comentar os outros atores, e quando eu escrevo “atores”, quero escrever “atriz”, pois somente Julie Benz (a namoradinha toda-boua de Dexter) é digna de nota e mesmo assim a atuação dela é “qualquer nota”. Sério, não é nada contra ela, ou aos demais atores, mas eles aparecem pouco e o centro das atenções é e TEM QUE SER do Stallone.



Stallone roteirista:
Também vamos ser justos! O roteiro não é só dele, mas também de Art Monterastelli e Jeb Stuart. E nessa categoria que os problemas começam a surgir.
A história é praticamente a mesma que a do terceiro. Rambo agora vive pacificamente na Tailândia, onde caça cobras para espetáculos para ganhar o seu tutu, quando um grupo de missionários pede ajuda para atravessarem o país e ir até Birmânia (que não possui mais esse nome, mas se você quiser aprender sobre o país acesse o Wikipédia, não aqui), que vive uma guerra civil (uma verdadeira, viu? Não aquela bosta da Marvel) há décadas. Ele reluta, mas leva por causa da mocinha Sarah.
Não demora muito e o protagonista é procurado de novo para voltar ao país em guerra. Dessa vez porque as pessoas que ele levou foram pegas pelo governo e estavam aprisionados. Dessa vez, Rambo leva alguns mercenários e decide ajudar… No melhor estilo “Deus tem piedade! Rambo não!”.

Além da trama batida, os diálogos são… Como dizer… Idiotas! Não estou me referindo as frases feitas! Não! As duas (“morra por alguma coisa ou viva por nada” e “matar é tão fácil quanto respirar”) são fodas e quando proferidas te fazem segurar na cadeira!
O que estou falando são das conversas mesmo que não tem nexo algum em certos momentos. Como na cena em que John e Sarah conversam na chuva, e o papo do mercenário inglês no barco.
Porém, há méritos no roteiro SIM! Uma coisa que gostei muito foi o personagem logo aos primeiros quinze minutos declarar que já aceita os seus demônios interiores. Tinha medo do propósito de Rambo ser o mesmo que o de Rocky em Rocky Balboa (lembram que ele falou que queria voltar a lutar a para soltar a fera que vivia dentro dele?). Pois é, isso foi um alívio e a prova de que o personagem evoluiu nesse ostracismo (lembram também que nos filmes anteriores ele sempre relutava em matar pelo menos no início?).



Stallone diretor:
Aqui o nosso amigo cara-torta brilhou! Salva de palmas para Sylvester Stallone pela direção de Rambo 4 que ele merece! O cara pra mim foi o melhor diretor dos quatro filmes (até mesmo que o primeiro).
Sly não quis “suavizar” a guerra mostrando só os vilões morrendo com um mero tiro no peito. Ele mostrou como é a guerra de forma nua e crua. Isto é, sangrenta, grotesca e repulsiva.
Braços, cabeças, pernas e tripas voam em meio às bombas. Crianças são mortas sem a menor cerimônia. Mães fogem pensando proteger única e exclusivamente os seus bebês em vão. Mulheres são estupradas.
Tudo isso num clima sombrio. A batalha não é um lugar alegre que não tem espaço para piadas e nem alívio cômico. Stallas fez questão de mostrar isso.


Agora que já citei os três trabalhos dele (além disso, ele ainda foi produtor), preciso comentar o maior acerto e o maior erro do filme, pois aí mistura roteiro com direção.



O maior acerto:
Sejamos sinceros! Rambo 2 e 3 (filmes de maior sucesso da franquia) são filmes datados, ou obsoletos, se preferirem chamar assim. Naquela época existia aquele patriotismo nos americanos devido a Guerra Fria. Atualmente, ninguém mais quer ver um filme de um cara chacinando um país segurando a bandeira dos EUA.
No novo filme o personagem faz somente um comentário sobre a sua origem, quando responde em que estado nasceu. Rambo não é mais o símbolo do exército americano e nem quer ser!

E ninguém mais quer ver um “exercito de um homem só”! Nos anos 80 isso era legal e divertido! Atualmente seria ridículo! Por isso, Rambo não trabalha sozinho (sim, ele parte pra missão ao lado dos mercenários) e não faz todas as firulas que faz nos outros filmes. Na primeira oportunidade ele pegou uma metralhadora de um jipe e não soltou mais (cena essa usada em todos os traileres)… E por que soltaria, né?
Com isso, o filme apesar de violento possui pouca adrenalina, mas acho que não era isso que Sly queria! Stallone queria fazer de Rambo 4 um filme sério… E conseguiu!



O maior erro:
Como vocês puderam perceber no meu texto, o filme é adulto! Então seria notório que ele teria várias referências às outras sagas (como foi em Rocky Balboa), mas não é o que acontece. A trama deste longa tenta funcionar sozinha, não fazendo nenhuma ligação aos anteriores. Aparece somente um pequeno flashback em formato de sonho em que mostra cenas dos antigos.
Eu sei que Richard Crenna (o eterno Coronel Trautman) morreu, mas é decepcionante você não saber o que aconteceu com seu personagem, e ele sequer ser citado.
Para os fãs de toda a cinessérie, só dois deleites: a trilha sonora é a mesma que a de Rambo: Programado para Matar e a belíssima última cena é idêntica a primeira cena do primeiro filme.



Acho que minha crítica apontou mais defeitos do que qualidade, entretanto quero enfatizar que Rambo 4 não é somente um bom filme de ação (que pipoca pelo menos um novo por ano), mas é um excelente filme do Stallone (como Rocky 1, Rambo 1 e Rocky Balboa).
E pretendo SIM ver de novo no cinema, afinal, não é todo dia que você pode se despedir do seu herói em uma telona!
Nota 8
Espera… Nota 8 é o cacete! É NOTA 10, PORRA!!!
E antes que algum infeliz venha reclamar que eu não posso dar nota máxima para um filme que não é perfeito, quero lhe dizer uma coisa: Depois que matar esses russos, eu vou atrás de você! (E se você não entendeu, problema teu!)

Anúncios

  1. Thiago Toshiaki

    É isso aí!! Stallone é o cara! Bom demais! Eu tive a mesma emoção que voce ao ver Rocky 6 no cinema, já que nao pude ver os outros (tenho 21 anos). Prefiro Rambo 2 do que os outros e Rocky 2 e 3 aos outros. Mas aí vai da identificação de cada um. Abraço!

  2. Fernando

    Eu penso o oposto de você no que diz respeito ao exército de um homem só. O que era divertido e mítico nos filmes anteriores era que Rambo fazia tudo sozinho, era um soldado excepcional e com isso fazia grandes estragos sem a ajuda de ninguém. Isso ajudava a criar a aura do personagem, mesmo que de forma inverossímel. Mas o inversossímel vai embora quando se pronuncia o nome “Rambo”. Pensa bem, o cara é o RAMBO, tá ligado?

  3. John Rambo

    Òtimo filme,muito tiro,muita acão,etc..Assiti todos os filmes da sèrie Rambo,sou muito fã do Stallone,sempre serei atè o fim dos tempos!!!

  4. dragon

    diferente… um complemento dos 3 primeiros filmes o primeiro uam obra de arte, o segundo ação que todos queriam, o terceiro apenas divertimento para complementar o segundo um filme de ters horas e meia, o quarto a violencia que faltou nos tres e o respeito e consciencia do eterno stalone para seus fãs… jóia

  5. John Rambo

    Excelente, um dos melhores filmes que já vi. É como eu gosto em filmes deste genero, sem muito blablabla e sim muita ação e adrenalina forte que te prende. Produção perfeita, som espetacular. Emoção de sobra para quem gosta do genero.

  6. MCGUERRA

    Concordo com o comentário feito acima sobre o Rambo, principalmente na maneira eloquente que o narrador termina seu pronunciamento. Stallone não poderia criar uma história muito diferente da que foi filmada considerando que estamos em 2008. Exatamente por estarmos em um cenário pós 11 de setembro marcado pelo terrorismo e atrocidades humanas é que se justifica o isolamento de Rambo numa região pobre e sofrida. Ele não tem seu melhor amigo e nem família. Está vivendo o “dia a dia” como disse no final do Rambo II. Achei simplismente fantástica a humildade do nosso herói da década de 80 se colocar como um simples barqueiro enquanto nós sabemos que se trata de um herói de guerra pra lá de condecorado e brilhante.
    3 pontos fantásticos citados:
    -Ele não quer ser herói americano.
    -Os EUA mudaram sua cara no cenário mundial
    – Não temos mais guerra fria e sim terrorismos covardes.
    Um filme objetivo, sem enrolação, sem romances “marketeiros” e mostra a ruindade humana como ela é. Um grupo de missionários tentando levar um pouco de maor e paz aquelas pessoas, mesmo que ingenuamente e o realismo estremo de John Rambo quando diz “Vocês não mudarão nada”.
    Parabéns produtores, parabéns Sylvester Stallone pela exelente interpretação aos 62 anos de idade.
    Sly é um exemplo de que a vida pode ser ruim, mas nós podemos criar um mundinho digno para viver a nossa volta.

  7. Esse filme foi fóda!….só faltou um pouco mais de roteiro e dialogo, talvez fazer um retrocesso as historias antigas, mas que diabos é o Rambo, ele não precisa de converça mole. Tem que matar geral.
    Só senti falta da faca dele não aquela coisa tosca que ele tava usando :P..
    Mas valeu agora estou torcendo para uma quinta edição….

  8. Os outros filmes do Rambo tinham roteiro bom e a história era envolvente, alem do que o Rambo não falava bobeiras e os personagens secundários também tinham sua importãncia, os diretores sabiam dirigir cenas de guerra com estratégias e grande número de pessoas, esse filme novo do Rambo, assim como Rock 5 e 6 é uma lástima! Odiei, nem a trilha sonora original dos filmes do Rambo foi usada neste filme, fala sério viu!

  9. Inferno, o Infame

    Por isso tudo que eu disse nos comments anteriores que eu acho que não dá pra comparar a série Rambo com Duro de Matar e outras trilogias. Rambo é um ícone do americano médio e seus filmes não são meros filmes de ação. São a visão particular de Stallas sobre determinados momentos da vida americana. E Stallas sabe captar esses momentos com precisão, e dá voz e vez ao americano médio através de seu personagem.
    Por isso eu acho uma bobagem criticar os filmes da série por causa de questões técnicas, como roteiro, direção, fotografia, etc. A intenção de Stallas não é fazer um ‘filme de cinema’ (até porque ele já mostrou que sabe fazer, vide o último de Rocky). A intenção dele com Rambo é descrever a sua visão de determinado período da história, e é a visão não de um professor ou de um acadêmico; é a visão de um americano médio, o que ele vê e como ele gostaria de agir com relação ao que vê.
    Acho que é isso.
    abcs

  10. Inferno, o Infame

    E Rambo 3 foi uma pá de cal na ameaça soviética, que assombrava os americanos desde o fim da 2ª guerra.Na época de R3 os soviéticos estavam mais preocupados com a própria sobrevivência do que fazer frente aos EUA. Estavam cheios de problemas internos, com as repúblicas em volta da Rússia declarando autonomia, o sistema apodrecido já desmoronando.
    Aí aparece o Rambo, invadindo um país satélite da URSS moribunda, para salvar os locais da influência nefasta vermelha.
    Rambo 3 é a ratificação do poder dos EUa sobre o mundo. Os soviéticos foram vencidos e escurraçados de um país vizinho deles pelo americano que se fez sozinho. Rambo.

  11. Inferno, o Infame

    Rambo 2 fala da relação entre o povo americano e seu governo, que mesmo eleito pelo própio povo, não é digno da confiança dele. Essa desconfiança do cidadão comum com relação ao governo que ele mesmo elegeu é normal na cultura americana, o americano médio não gosta da dependência ou interferência do Estado nas suas ações, eles valorizam muito a auto iniciativa. Bem diferente dos latinos.
    E mesmo tendo o governo contra, Rambo foi lá no Vietnam (mexendo na ferida outra vez), matou vietnamistas, russos e americanos funcionarios do governo que tentaram sacaneá-lo.
    Rambo é um cidadão comum transformado em uma máquina de matar que se fez sozinho. Tudo que um americano médio gostaria de ser, heiahehaheaieiiiiaeaheaaeaieaih
    abcs

  12. Inferno, o Infame

    Eu odeio admitir isso mas tenho que concordar com o Mallandrox.
    É estupidez analisar Rambo 4 como se fosse um filme de ação qualquer. Pegando por exemplo Duro de Matar 4.0, que tb é o último filme de uma série que fez muito sucesso nos anos 80/90 tendo como protagonista um ator mais do que conhecido mundialmente, voce pode fazer comparações etnre 4.0 e os filmes anteriores, achar que houve uma evolução ou retrocesso em roteiro, direção, atuação ou seja lá o que for, só que Rambo é diferente.
    Diferente por que, diabo babão do SS?
    Porque a série Rambo meio que aderiu uma cara dos anos 80/90. No primeiro filme era a América lambendo as próprias feridas da guerra do Vietnam perdia 10 anos antes do filme começar. Pra voces verem como marcou os americanos essa derrota, para um filme tocar nesse assunto, ser visto por milhões e ser um sucesso comercial levou 10 anos.

  13. Márcio

    Cara, eu também sou da geração boa da sessão da tarde e por isso achei o filme péssimo. Ao contrário de Rocky 6, Rambo 4 não tem roteiro, a violência é descabida, sendo que poderiam fazer o filme sem tanta mutilação em câmera lenta, ou ao menos cenas mais curtas….aquela que eles dizimam a aldeia dura mais de 5 minutos, pô! Tentaram tapar os furos do filme chocando a platéia com os horrores da guerra. Pra isso eu fico em casa e assito a CNN…o filme é uma bomba e macula a imagem dos antigos, principalmente o 1º, que é mto bom! Vocês adoram chamar os caras de Fanboy e fazem uma crítica porca dessas, exaltando um filme sem roteiro, com o herói descaracterizado e com vioência antes de qualquer coisa só por que é o Rambo! Forçaram!

  14. Tosco (em busca de um mundo mehor nem que seja na bala!!)

    Rambo 4 rumo ao Framboesa de Ouro.
    Mas quem se importa?
    O que importa é ver o velho soldado quebrando tudo!!!!

  15. Geison

    Animal!!! Acabei de ver… e sinceramente, é porrada!!! Estou de acordo com a maioria que aqui escreve, RAMBO é poucas palavras e muitos tiros, quer roteiro e dialogos, vai ver a bixisse JUNO.
    Pô, podia sair um quinto heim???!!!!???

  16. Luciana

    Assisti hoje com uns amigos. Claro que eles odiaram o filme haha, ficaram me culpando de terem gasto 10 contos pra ver um filme merda. Eu gostei do filme, até porque era isso que eu esperava dele. Muito sangue, tripas e sem conversa fiada. A única critica que tenho a fazer é a duração, achei muuuuito curto, poderiam ter explorado mais a “batalha final” (eu gostaria de ver o rambo largar aquela metralhadora e correr pelo campo matando a torto e a direito) mas enfim, saí do cinema satisfeita. Hehe o stallone conseguiu falar bem menos nesse filme do que os três primeiros juntos 😛

  17. fabio spinola

    o Stalone fez uma homenagem ao Trotman sim…. é bem naquela hora que o Padre chega e fala… Joh Rambo… meio nas sombras e tirando o chapeu.. igualzinho o que ele fazia nos outros filmes… o porte do padre e o rosto meio nas sombras parecem ele… bem na hora que ele ta sonhando com o coronel…. esse pra mim foi a homenagem do stalone

  18. Corto Maltese

    Argh… esse desenho era horrível! O Rambo parecia mais um agente secreto, e as tais “Forças da Liberdade” eram ele mais um mulher asiática e um homem negro sempre enfrentando um malvado militar russo. Blegh!

  19. Toad

    Ah, Mallandrox, eu tinha uma porrada de bonequinhos dos desenhos do Rambo, da “Força da Liberdade”, como bem outra vez discuti a respeito deles com o Poderoso Porco.
    E eles não eram toscos, eram bem bacanas e legais.
    E é isso ai Mallandrox, nota 10 pra essa bagaça.
    Rambo 4 é perfeito.

  20. Toad

    Porra o filme é FODA, filmão BÃO mesmo, melhor que ele este ano só Hellboy 2 e “acabouse”.
    E que se danem os FRUFRUS que vivem reclamando de falta de roteiro ou que seja ruim, roteiro em filme de RAMBO é coisa de VIADO. Rambo é filme de macho porra.
    Ou por acaso querem ver diálogos e profundidade, um Rambo filosofando e dando o c*? Só pode ser, esses “mãos-no- chão” que vem criticar o filme e falar que o filme é ruim pq não tem roteiro, e bla´bla blá.
    Rambo é filma pra MACHO, quem não for vai procurar um colinho pra sentar e chorar porra.
    RAMBO 4 é um filme nota 10!
    Stallas é rei, e em terra de Rambo, ser vivo é deus.

  21. Garoto de Smallville

    Discordo do Corto Maltese
    Rambo como qualquer pessoa do mundo não nasce uma maquina de matar mas le se tornou isso é disso que ele é feito agora.
    No primeiro ele queria paz, no segundo e terceiro ele Tentava se negar e tornar outra coisa.
    Nesse quarto filme ele ve o que tem de fazer e iz a sim mesmo: Sou um matador e é isso que faço bem. Veja os 3 primeiros filmes como estagios do luto. Ele finalmente chegou a aceitação.
    e só pode ter paz se você aceita a pura verdade.
    E a verdade é:
    JOHN JAMES RAMBO É UM MATADOR PORRA!!!!!!!!!!!!!

  22. Os caras da Birmania são os maiores filhas da puta do universo.E uma lição que esse filme me ensinou é que filha da puta tem que ser tratado como filho da puta!Achei du caralho o filme!!!Assim como Rocky Balboa fechou o ciclo do personagem com chave de ouro!Legal o lance de ter colocado a cena cortada do primeiro filme em que ele morria,achei cool pacas!

  23. DCnete, o universitário

    Achei o filme meia-boca. Além de curto, ele acaba do nada! Termina a batalha, um corte seco e aquela cena do fim do filme.
    E a falta de diálogos eu acho que é devido ao fato de Rambo ser um cara fechadão, na dele. Ele não precisa falar nada, porque além de não querer, ele pouco se importa com a lenga lenga alheia. Por isso que ele ignora todo o discurso de “vamos salvar o mundo pela fé” dos missionários e toda o showzinho do mercenário careca.

  24. Jos-El

    Quando sair em DVD eu assisto. Assim como os outros esse é um filme de Sessão da Tarde, mais violento, porém o espírito é esse.
    Sem querer ser purista ou pedante, o primeiro foi o melhor. E Rambo devia ter morrido nele.

  25. Se esse texto fosse do Bugman, teriamos linhas e mais linhas sobre as consequencias psicologicas de ma sociedade em guerra e todo blablabla metido a besta!!
    Nunca pensei que iria elogiar um otaku, mas…
    A melhor crítica que ja lí nesse site safado!!
    Detonou Malandrox!!!

  26. Bam

    Mallandrox, muito bom texto!
    Essa de dividir em tópicos funcionou bem.
    O filme é foda! É algo histórico. É uma lenda viva. Eu poderia soltar uma metáfora extremamente foda como as do Pedro Bial comparando o filme ,Rambo, com um miojo, mas só o Bial consegue.

  27. Corto Maltese

    E isso do Rambo não querer lutar no início dos filmes não é erro, ou apelação. O John Rambo não tem natureza violenta!
    Ele recebeu um treinamento insano e foi jogado no meio de uma chacina doentia, mas em nenhum momento le passou a agir gratuitamente (pelo menos o personagem dos filmes é assim).
    No 1 e no 2 ele só luta porque sacaneam ele direto e no 3 e no 4 ele luta pra salvar pessoas que gosta. Mas por mais que o joguem na lama, o personagem sempre manteve a lucidez, tanto que ele nunca fez propaganda A FAVOR dos Estados Unidos, desde o começo do primeiro filme ele nunca falou: “Eu vou lutar pelo meu país”, porque já tinha visto o que aconteceu quando fez isso antes.
    O Rambo só é patriota mesmo naquele infame desenho animado, que hj eu sinto vergonha de ter assistido.

  28. Corto Maltese

    Eu também curto o Stallone, mas vamos ser francos: o objetivo do novo filme do Rambo não é o mesmo do Rocky Balboa. No Rocky ele resgatou o espírito original da história pra fazer uma elegia da trajetória do boxeador.
    Já no Rambo parece que ele quis fazer só mais um filme de ação mesmo, tanto que o filme é muito parecido com as continuações e não tem quase nada da densidade do primeiro, que foi o único filme do Rambo que realmente me chocou quando criança, não pela violência, mas pelo intenso drama vivido pelo cara.
    Eu queria mesmo é que o Stallone voltasse a usar o Rambo como instrumento de crítica à própria guerra como fez no 1 e parcialmente no 2, que ele lançasse o personagem, por exemplo, de volta ao Afeganistão pra mostrar que agora são os americanos que ocupam o território alheio que antes ajudaram a defender no 3, ou até mesmo na bola da vez, o Iraque, que praticamente, e desastrosamente, se tornou um novo Vietnã, cuja guerra o próprio Rambo criticou, mesmo fazendo parte dela.

  29. Norrin Kurama

    Você quase me deixou com vontade de ir ao cinema, filhinho.
    Mas seu texto fará com que eu o assista se passar na TV. Alem da frase sobre mudar o mundo que tambem queria ouvir.
    Parece ser melhor que o 2 e o 3.

  30. Capitão Conhaque

    Ainda não vi o novo Rambo, mas sempre fui fã do Stallone e Falcão era o meu filme preferido quando guri.
    Eu gosto até do Rocky V, que todo mundo desce o cacete (até o Stallone).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: